A nova ruiva

Confesso que a primeira vez que vi Lana Del Rey foi através de fotos de seus trabalhos de modelo. Bem depois fui descobrir que ela era cantora e com um talento incrível para escrever músicas. Ela tem um estilo Indie pop e chama atenção por suas letras sensuais e sinceras.

Nascida Elizabeth Woolridge Grant, inspirou seu nome artístico Lana Del Rey em uma mistura da atriz Lana Turner e o carro Ford Del Rey. É de Nova York e mudou-se para Londres em 2010 para tentar a carreira de cantora. No mesmo ano gravou um álbum com o nome “Lana Del Rey a.k.a. Lizzy Grant” com uma pequena gravadora que logo foi retirado de venda. Em Outubro de 2011 lançou o single “Video Game” e logo em seguida seu álbum de estréia “Born to Die”.

Fica aqui agora algumas das minhas músicas favoritas  e vale a pena conferir as letras, muito boas!

 

 

 

Anúncios

O folk da Rosie

Com algum atraso começo 2012 com a minha nova queridinha, Rosie and Me. Um pouco diferente das outras bandas gringas que falamos aqui essa vem diretamente de Curitiba. Desde 2006, eles contam com Rosanne Machado, a vocal que alterna entre violão e banjo, Tiago Barbosa (bateria), Guilherme Miranda (baixo), Thomas Kossar (guitarra) e Ivan Camargo (violão).

No site da banda eles definem sua música como honesta e não poderia concordar mais. Com certeza o principal instrumento é simplicidade.

“Bird and whale” é o primeiro EP do grupo e em janeiro desse ano eles lançaram o novo EP “Arrow of my ways” e logo farão uma turnê passando pelo Brasil e EUA. Apesar de no Brasil não ser tão conhecida, eles voaram longe para as terras americanas, inclusive “Darkest Horse” foi escolhida para a trilha sonora de One Tree Hill.

 

Vale a pena conferir o som dessa banda independente e por que não ajuda-los? Só conferir no site deles.

E quem quiser conferir o novo álbum, já esta disponível também no site da banda!

Música ao acaso

Entre um site e outro me deparei com uma banda diferente do que costumo ouvir, com letras simples e incriveis! Estou falando da banda Best Coast, uma banda americana de surf pop formada em Los Angeles, Califórnia. Formada atualmente pela fofíssima Bethany Cosentino e o multi instrumentista Bobb Bruno, eles fazem um som simples porém é o tipo de música que contagia.

Realmente o estilo da banda é a simplicidade, no blog a descrição nada é mais que “Inspirado pela vida e pelo amor e por todo o resto”,  fofo não? E uma dica, os clipes da banda são super divertidos e sempre com alguma história, vale a pena conferir!

Foi por esse clipe que conheci a banda, diferente dos outros o clipe tem um tom romântico e dramático,  ele foi produzido pela Drew Barrymore, na verdade muito bem produzido! Assistiria fácil um filme assim, fora que a música dá o clima perfeito.

Fica a dica para um final de semana na praia ou na simplicidade de apenas estar deitado ouvindo um som.

Sem música, com amor

Estava com o violão no colo à procura da música perfeita para começar a tocar. Foi então que percebi que não há nenhuma música que descreveria esse momento. Procurei e procurei diversas vezes e, quando a gente procura desesperadamente por algo, encontra. E apareceu. Mas não foi uma música, foi uma certeza.

Esse ano está bem misterioso e cheio de coisas estranhas acontecendo ao mesmo tempo. Terei lembranças boas e ruins dele. Parece até que estou fazendo um desabafo de 31 de dezembro. Pois é, para mim, passaram-se mais de três anos em um. Crescer é uma droga! Já cansei de repetir isso, mas essa certeza foi que me mostrou a realidade. Vou me lembrar disso pro resto da vida. É uma droga porque as pessoas não se importam mais com o que você pensa, gosta, sente e etc, embora você anseie que isso ocorra. Estou ansiosa e com medo do que poderá acontecer nesses últimos três meses e meio de 2011. Dói saber que terá pessoas que nunca mais verei de novo, as lembranças de todos os dias da semana convivendo com elas. A lágrima já quer descer do meu olho direito e engolir o choro não me fará esconder a saudade reprimida.

Como eu não encontrei a música, não fiz. Sou uma péssima compositora, apesar de respirar as melodias por ai. E não sou o tipo de garota adolescente romântica e apaixonada, embora eu seja louca por aqueles que eu amo. Tenho uma esperança de que isso não mude nunca só que essa ansiedade que transborda dentro de mim para saber sobre o futuro, me mata muito. É uma luta constante: eu e eu mesma. E de nada adianta ficar assim, pois, afinal, o futuro só a Deus pertence.

Um Beirut, por favor

Devo começar comentando o quanto o ano de 2011 foi produtivo na área musical, conheci muitas bandas de diversos gêneros, e como sempre me apaixonei por várias.

Uma dessas que vem me acompanhado desde então é a banda de Zach Condon chamada Beirut onde há uma combinação de elementos do folk do Leste Europeu, onde Zach ficou uma temporada pesquisando os sons que hoje tornam a banda inconfundível. Tais instrumentos como a tuba, bombardino, acordeão, flugelhorn e claro o ukelele que surgiu como alternativa quando estava impedido de tocar guitarra por conta de um ferimento.

Eles contam com alguns EPs, e três álbuns o Gulag Orkestar (2006), The Flying Club Cup (2007), e o recente The Rid Tide (2011). E com certeza já devem ter ouvido o single Elephant Gun que foi tema dos protagonistas na minissérie Capitu em 2008 e ficou em 2° lugar nas músicas mais procuradas!

Não sei vocês, mas quando escuto me sinto em outro lugar e outra época, e isso coloca Beirut entre as minhas bandas favoritas! Curtiram?

Entradas Mais Antigas Anteriores